Condomínios investem em sistemas de segurança nas portarias para evitar roubos

A insegurança muda constantemente a rotina da população, especialmente de quem vive em condomínios. Para impedir a ação de criminosos é necessário cada vez mais investimentos em sistemas de segurança, como a biometria, monitoramento de câmeras e controle de acesso. Especialistas e síndicos explicam que essa é uma tendência em Goiânia e destacam como se proteger.

Muitos locais que nunca foram alvo de criminosos, mas com o aumento no fluxo de pessoas passando pela portaria, foi preciso buscar recursos para garantir a segurança.

Diversos condomínios, tiveram o sistema de biometria implantado no local, no qual o morador tem que apresentar a digital que deve estar devidamente cadastrada para entrar nas dependências do condomínio.

“A prioridade nossa é a segurança. Se não tiver esse quesito, os moradores não têm conforto”,

Outros condomínios ja possuem projetos para implantar outro sistema de segurança para evitar que criminosos entrem pelo portão onde os moradores entram com os carros.

“Na entrada dos carros no portão, cabe ao morador ter atenção e fazer a parte dele. Não adianta ter todo um circuito de segurança sendo que o próprio morador acaba dando brechas. Na entrada e saída dos carros é o momento que deve ter maior atenção. Ao sair vai olhando no retrovisor, enquanto o portão termina de fechar”, explica.

Já a aposentada Delci de Sousa, 68 anos, mora em outro condomínio da região e denuncia fragilidades na segurança do próprio imóvel. “Aconteceu em um certo dia em que eu trouxe uma visita aqui em casa, eu estava no banco de trás do carro e não me identificaram e entramos numa boa. Era durante a noite e liberaram a entrada do carro normalmente, sem pedir identificação e nada. Isso não pode acontecer”, relatou Delci.

Transparência e cuidados na segurança

Administradores de condomínio ressaltam a importância de ter uma relação transparente com os moradores para manter a segurança dos imóveis. Para o síndico João Batista da Silva, de 61 anos, também é preciso ter menor rotatividade de funcionários no condomínio.

“Temos que ter o contato maior de número de moradores. Se ficar um anonimato, fica complicado manter a segurança. Inclusive temos um conselho que traz todas as reclamações e recomendações para organizar as coisas do condomínio”, diz.

Os síndicos citam a importância e da eficiência dos sistemas de segurança. “Já gastamos ao longo da gestão mais de R$ 30 mil e hoje contamos com câmeras com gravações preventivas, biometria, portões automatizado, controle do portão para cada morador que entra com seu carro, e o sistema de receptora, que no momento em que o portão abre o porteiro fica sabendo o andar, a unidade e o piso onde ele [morador] mora. Valeu a pena”, explica.

De acordo com o especialista em segurança privada, Amilton Saraiva, os horários de maior incidência de invasão em condomínios são das 11h às 14h, no período da saída de estudantes que chegam da escola. O especialista reforça a necessidade do treinamento constante da equipe de segurança.

Saraiva ressalta que é necessário ter um bom controle de acesso e sempre atualizar o cadastro de todos os moradores. “O próprio sistema te avalia. Ele te fornece todos os dados para que monitore de forma mais rigorosa a entrada e saída dos moradores.

Se acontecer de algum morador sair em horário diferente, o porteiro já fica em alerta e vai olhar no circuito se realmente está tudo na normalidade”, explica Saraiva.

O especialista afirma que os responsáveis pelos condomínios precisam fazer uma avaliação técnica de segurança, tanta da parte funcional e dos equipamentos em geral.

“O controle de acesso, biometria, muda a forma de acesso ao condomínio. O restante dos visitantes, entregadores tem que se identificar com documentos pessoais. Um morador novo, por exemplo, vai passar por uma triagem para que fique registrado no sistema.

O porteiro hoje tem atribuição muito grande, quanto mais facilitar a vida do porteiro para manter a fiscalização das câmeras externas é melhor”, ressalta o especialista.

Tecnologia

O gestor financeiro Sidney Monteiro de Oliveira, dono de uma empresa de segurança privada, também afirma que a tecnologia tem favorecido o trabalho dos vigilantes que trabalham para manter a segurança de moradores nos seus imóveis.

“O que preocupa muito são os muros. O pessoal pula o muro, entra na casa vazia de um morador que está viajando, furta algum objeto e pula novamente sem que os vigilantes percebam. Isso vem acontecendo muito, mas os condomínios vêm utilizando cercas sensoriais, sistema que mostra através de um mapa, o local onde a pessoa está pulando”, disse Oliveira.

Outra Solução muito eficiente, é a ronda efetuada pelos vigilantes. Através de um bastão de plástico altamente resistente, você pode criar uma rota que faça o vigilante visitar obrigatoriamente os locais mais vulneráveis de seu condomínio.

O registro dessa ronda é enviada em tempo real para empresa de segurança. Caso essa a ronda não seja cumprida, é disparado um alerta em forma de ocorrência para empresa, informando que o vigia deixou de efetuar a ronda no horário programado. Dessa forma, pode auxiliar a prevenção de eventuais ocorrências ou incidentes.

O especialista ressalta a importância do investimento em segurança para coibir a ação de criminosos nos imóveis. “Em torno de mil unidades tem registros de tentativa de invasão. Porém cerca de 90 a 95% não conseguem entrar”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *